O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   26 de Abril de 2017

O ENCONTRO!!

14/02/2017 - 10h05

Raquel Anderson

Raquel Anderson (esq) com Chico Buarque (Foto: Divulgação )

A tecnologia é responsável pelo nascimento de uma amizade originada em 2014, quando foi criado um grupo no whatsapp, em razão de afinidades culturais e amor pelo genial artista brasileiro Chico Buarque!
Somos um grupo eclético, com pessoas de diversos cantos do Brasil e alguns estrangeiros.
Dentre tantos, eu e alguns amigos estreitamos mais a amizade e passamos a nos falar diariamente, tendo o Chico como pauta, sempre.


Estamos reunidos, somos mais de dez pessoas, para assistirmos a participação do Chico no Show da Mangueira e para o lançamento do meu livro, aqui no Rio.


Saímos para um passeio pela manhã, em quatro pessoas, Luiza, com apenas 27 aninhos, juntou-se a nós e sugeriu que nos dirigíssemos ao Campo do Politheama, campo de futebol do Chico. Nem pestanejamos, seguimos para lá, no Recreio dos Bandeirantes.


Quando chegamos, encontramos um portãozinho de acesso ao campo entreaberto e ficamos combinando qual seria a melhor estratégia para entrarmos, como faríamos, o que diríamos. Izabel propôs que eu falasse em nome do grupo.


Apareceu Wagner, um jovem moreno, alto, bonito e muito afável, então eu me apresentei, expliquei-lhe as razões pelas quais estávamos ali e ressaltei que nosso único intuito era ver o Chico, com uma postura discreta e elegante, sem importuná-lo. 


O moço nos convidou para assistirmos a “pelada” que o Chico estava jogando.


Entramos em fila indiana e passamos por trás do gol, como se estivéssemos pisando nas nuvens, não na grama.


Um dos jogadores gritou conosco enquanto caminhávamos e nos disse em tom festivo que estavam recebendo “meninas” hoje, com uma receptividade que aliviou nossa tensão.


Sentamo-nos no primeiro banco da pequena arquibancada, muito próxima ao campo e permanecemos por um tempo mudas.... 


Voltei na minha infância e me lembrei da felicidade que eu sentia quando esperava na fila do circo, na hora de entregar a lembrança da escola no dia das mães, na emoção de abrir a caixa de presente com uma boneca dentro, na alegria da primeira bicicleta, na empolgação de levar a florzinha na mão para a professora, sei que minhas amigas sentiram emoções fortíssimas, haviam expressões que as palavras não darão conta de traduzir....permanecemos ali, feito crianças recomendadas por um adulto para se comportar.


Ele nos olhava com o seu charme, meio tímido....


Habilidoso com a bola, cobrou vários escanteios e chegou muito perto da gente, cabeceou lindamente em dois momentos, toques com o calcanhar, coçava a cabeça e andava com o seu passinho....Ah! O andar do Chico Buarque....meio curtinho, pisando miudinho, carregado de sabedoria e genialidades!


O Wagner nos instruiu que esperássemos até o final do jogo, quando o Chico encerrasse sua participação, voltasse do vestiário, após o banho, para falar conosco. Novamente ali ficamos, feito crianças obedecendo às instruções no melhor dia da escola.


Depois de um bom tempo, passamos a nos comunicar com sussurros, falamos baixinho, mantivemos a classe.


Fizemos algumas fotos e filmagens muito discretas, se pudéssemos, engoliríamos os celulares para não darmos bandeira.


Eu, particularmente, nunca gostei de tietagens, invasões. Sempre pensei no desconforto, falta de privacidade e constrangimento do artista, sempre me coloquei no lugar deles, contudo, esse momento foi mágico, lindo, sublime, natural, espontâneo.


Ao sair do campo ele veio até a gente e disse que iria tomar banho para falar conosco. 
Chico Buarque é uma referência, uma lindeza!!!


Ele retornou do vestiário com os cabelos molhados, a barba feita, durante o jogo estava com a barba “por fazer”, ele teve o cuidado de fazer a barba, só um gentleman faz isso.


Aproximou-se de nós, sorriu, nossos combinados sobre todas tirarem fotos com todos os celulares, primeiro a foto de todas juntas com ele, depois individualmente, assim e assado, foi tudo por água abaixo, nos perdemos, ganhamos um novo alento às nossas vidas. Ficamos inebriadas, aquele olhar estonteia qualquer um...Izabel grudou-se no balcão e petrificou-se, Eliene falava sem parar, Paulinha queria abraça-lo mais e mais, Luiza se desmanchou e eu furei com os combinados, fiz tudo errado, não sabia se falava, ria, ou mandava mensagens para a minha filha, fiquei transtornada.


Contamos a ele sobre “As raparigas de Chico” ele deu uma risada gostosa, falei do pantanal, queria falar tudo, falei do meu livro, falei sobre a cultura pantaneira que eu represento. Ele nos ouviu atentamente, sorria e manifestava concordância. Eliene disse a ele que ele a salvou de sua viuvez, rsrs. Ao final, ele ia saindo eu olhei fixamente para ele e lhe disse:


“- Mais do que seus belos olhos cor de ardósia, há em você a beleza do ser humano maravilhoso e genial que você é!”


Penso, honestamente, que os sentimentos de fãs, são sempre muito suspeitos, sobretudo, porque na maioria das vezes, há uma irracionalidade, um desejo inexplicável, uma forma de loucura. Esse não é e não foi o nosso caso, conhecemos e dividimos os sentimentos que nos aproxima, temos uma intimidade fora do comum entre nós e com toda a poesia do Chico Buarque.


Sabemos das entrelinhas de suas canções, sobre os contextos que ele compôs, cantou, escreveu.
Destrinchamos suas letras, bebemos delas, diariamente, conversamos a respeito, lemos tudo, ouvimos muito, cantamos juntos, gravamos áudios e mais áudios, desejamos bom dia e boa noite com suas canções, trabalhamos, juntamos dinheiro, fazemos combinados e mais combinados, nos presenteamos com fotos, xícaras, livros, discos, camisetas, toda forma de amor.


Extraímos desse homem o elo valiosíssimo da vida, a amizade!


Não nos imaginamos mais uns sem os outros, está solidificado em nós o bem querer, enraizado com a poesia, com o talento, com o ícone que dignifica o que há de melhor em nós, com o borgulho, orgulho imenso de sermos compatriota desse homem: Chico Buarque de Holanda!


Para nós, que vivemos essa experiência hoje, estamos com a alma leve e com as certezas de que a vida pode ser a delicadeza mais doce em forma de felicidade, convictas de que ganhamos com a cultura, com as expressões que engrandecem, que nos acrescentam tanto, nos fazem crescer e amar!


Gratidão a esse homem que é a representação máxima da cultura, da genialidade e a da beleza!
Valeu Chico!!!

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Publicidade
Mais em Raquel Anderson
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
Não
Não sei
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS