O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   24 de Fevereiro de 2024
Publicidade

Aumento na demanda de energia pelo calor faz ONS acionar usinas térmicas

A produção das usinas térmicas vinha mantendo um padrão médio em torno de 7 mil mega watts por dia

17/11/2023 - 08h03

Rio de Janeiro

Onda de calor faz ONS ampliar o uso de usinas térmicas (Foto: Reprodução/TV Globo)

Um efeito da atual onda de calor é o aumento do consumo de energia. O Operador Nacional do Sistema Elétrico acionou as usinas térmicas - das quais a gente está acostumado a ouvir falar quando os reservatórios das hidrelétricas estão em baixa, o que não é o caso agora. Desta vez, as térmicas entraram em cena por causa do aumento da demanda.


A produção das usinas térmicas vinha mantendo um padrão médio em torno de 7 mil mega watts por dia. Na última segunda-feira (13), em que houve o recorde na demanda, a produção das térmicas começou a subir. E de lá pra cá já aumentou 63%. 


Mais caras e mais poluentes

Tiago de Barros Correia, foi diretor da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), e é especialista em regulação de infraestrutura e energia. Ele explicou que o problema não está na produção e sim na distribuição dessa energia e numa situação como a de agora com de alta demanda, causada pelo calor, foi necessário acionar as termoelétricas, mesmo sendo mais caras e mais poluentes, já que elas conseguem dar uma resposta mais rápida.


"O que a gente tinha visto no passado era a termoelétrica entrando por falta de chuva, então ela entrava para fazer essa compensação do regime hidrológico; os reservatórios estavam baixos. Isso não é o que está acontecendo hoje, os reservatórios estão cheios, mas a gente precisa de ajuda para atender essa demanda de ponta", destaca Tiago de Barros Correia, Diretor da Reg E Consultoria e ex-diretor da Aneel.


A energia gerada pelas termoelétricas é mais cara por causa do custo dos combustíveis fósseis, como por exemplo o gás natural. Com o conflito no Oriente Médio, os derivados do petróleo subiram de preço.

Diante desse cenário, para o especialista, é cada vez mais importante fazer investimentos em redes de transmissão com maior capacidade de escoamento.


"O maior problema hoje é que existe até um excesso de geração e que a gente não consegue acomodar. Então o correto numa situação normal era a gente aproveitar a energia gerada pelo sol e pelo vento e fazer armazenamento de água nos reservatórios e guardar a termoelétrica, mas no contexto atual de hoje a gente tem que desperdiçar um pouco de vento de sol não consegue escoar pela rede", ressalta o diretor da Reg E Consultoria e ex-diretor da Aneel.


"Então seria interessante também haver investimentos em linhas de transmissão pra permitir o maior escoamento dessas fontes que já estão instaladas ou que vão ser instaladas nos próximos anos, principalmente no Nordeste", completa.


O que diz a Aneel

A Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL informou que tem mantido amplo diálogo com o Ministério de Minas e Energia, distribuidoras e prefeitos dos municípios atingidos, e o objetivo é definir protocolos pra melhorar as respostas aos eventos climáticos severos, aprimorando os planos de prevenção e redução de danos. (Com TV Globo)

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Economia
Colunistas
Ampla Visão
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS