O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   15 de Dezembro de 2017
Publicidade

Suposta quadrilha liderada por André tem R$ 160 milhões bloqueados pela Justiça

Decisão é do juiz federal substituto da 3ª Vara Federal de Campo Grande, Ney Gustavo Paes Andrade

14/11/2017 - 15h17

Campo Grande

Andrezinho foi levado pela Polícia (Foto: Divulgação )

Ainda sob profunda investigação da Polícia Federal e da CGU (Controladoria Geral da União), a suposta quadrilha chefiada pelo ex-governador André Puccinelli (PMDB), teve R$ 160 milhões bloqueados pela Justiça, informa o repórter Edivaldo Bitencourt , do portal de notícias ojacare.com.br. 


A decisão é do juiz federal substituto da 3ª Vara Federal de Campo Grande, Ney Gustavo Paes Andrade. O líder peemedebista teve prisão preventiva decretada na manhã desta terça-feira (14), depois que agentes federais foram até o seu apartamento, na Capital, cumprir mandado de busca e apreensão. 


A novidade deste segundo bloqueio é que atinge o filho do ex-governador, o professor universitário e advogado André Puccinelli Júnior.


De acordo com o delegado Cleo Mazzotti, da Polícia Federal, a Operação Papiros de Lama, a 5ª fase da Lama Asfáltica, encontrou indícios de desvios de R$ 85 milhões dos cofres públicos. Apesar da investigação apurar as irregularidades cometidas entre 2006 e 2013, a PF revela que o grupo do ex-governador continuou sendo beneficiado com o pagamento de propina mesmo afastado do poder.


Com base em documentos e na delação premiada do empresário Ivanildo da Cunha Miranda, o juiz decretou a prisão preventiva do ex-governador e do filho. Também decretou a prisão temporária de João Paulo Calves, dono do Instituto de Ensino Jurídico Ícone, e de Jodascil Gonçalves Júnior.


O primeiro bloqueio nas contas de Puccinelli foi decretado pela Justiça em julho do ano passado, a pedido do MPF, que pediu para incluí-lo na indisponibilidade decretada em maio de 2016, na Operação Fazendas de Lama. Na ocasião, o grupo foi acusado de desviar R$ 43,1 milhões, que acabou sendo elevado para R$ 67,343 milhões em julho deste ano a pedido da Procuradoria Regional da República em Mato Grosso do Sul.


Nesta terça-feira, o juiz decretou a indisponibilidade de R$ 160 milhões de 15 pessoas. Entre os atingidos, estão Puccinelli, o advogado Puccinelli Júnior, o Instituto Ícone, entre outros.


O bloqueio dos bens levou o ex-governador a ser alvo da primeira ação de restrição de liberdade, o monitoramento eletrônico por meio de tornozeleira. Ele ficou uma semana com o adereço porque a juíza Monique Leite não permitiu o uso de parte do dinheiro bloqueado para pagar a fiança de R$ 1 milhão. A medida foi permitida pelo desembargador federal Paulo Fontes.


De acordo com Mazzotti, o ex-governador é acusado formalmente de chefiar a organização criminosa investigada na Lama Asfáltica.


Puccinelli teria cobrado 30% de propina sobre o valor da isenção fiscal concedida pelo governo à JBS. Ele teria adotado um sofisticado esquema de ocultação de bens e lavagem de dinheiro.


Um dos meios foi através da Águas, que comprava livros jurídicos do filho do ex-governador sem necessidade, que depois eram doados para escolas e institutos.


A concessionária ainda pagava por serviços de advocacia e consultoria que não eram prestados. A PF, a Receita Federal e a CGU fizeram devassa na empresa e não encontraram comprovantes dos serviços feitos pelo advogado.


Uma das formas de desvio era por meio de pagamento feito ao Instituto Ícone, de João Paulo Calves, que foi preso hoje e seria sócio de Júnior.


Só em serviço de advocacia, a concessionária repassou mais de R$ 1 milhão para André Puccunelli Júnior sem a comprovação da prestação do serviço.


A concessionária ainda repassava dinheiro para o grupo por meio da Proteco, do empresário João Amorim. Em apenas uma operação, conforme a investigação, a empresa lucrou R$ 1 milhão em 24 horas ao fazer negócio com a Águas.


A companhia de águas da Capital é alvo pela segunda vez de operação de combate à corrupção. A primeira foi na Operação Máquinas de Lama, realizada em maio deste ano.


A empresa ainda é acusada de fazer repasse para o grupo por meio de obra de esgoto realizada em Dourados, onde a concessão é da Sanesul.


A Águas Guariroba não se manifestou até o momento.


O advogado Renê Siufi anunciou que ingressará com habeas corpus no TRF3, o mesmo que tem concedido a liberdade aos presos na Operação Lama Asfáltica.


O desembargador Paulo Fontes, do Tribunal Regional Federal, deve analisar o pedido. Ele concedeu habeas corpus para Puccinelli e todos os demais presos na operação em maio deste ano.


Na ocasião, Puccinelli, sem dinheiro para pagar a fiança de R$ 1 milhão, contratou o advogado Antônio Mariz, um dos mais caros do País e que já fez a defesa do presidente Michel Temer (PMDB), o primeiro presidente acusado de corrupção passiva, obstrução da Justiça e de chefia organização criminosa.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Publicidade
Mais em Política
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
Não
Não sei
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS