O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   21 de Novembro de 2017
Publicidade

De pires nas mãos, prefeitos voltam a Brasília para pressionar Congresso

Organizada pela CNM, mobilização nacional ocorrerá dia 22 deste mês

08/11/2017 - 11h20

Com Assomasul

Presidente da Assomasul, Pedro Caravina (Foto: Edson Ribeiro)

Prefeitos de Mato Grosso do Sul se organizam para participar da mobilização nacional que ocorrerá em Brasília no próximo dia 22. Na bagagem, carregam a esperança de trazer verbas adicionais com objetivo de reforçar o caixa das prefeituras para fechar a folha de pessoal  no fim do ano, pagando principalmente o 13º salário dos servidores.


O presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Caravina (PSDB), começou a convocar os prefeitos esta semana, observando que o movimento, liderado pela CNM (Confederação Nacional dos Municípios), é importante na tentativa de sensibilizar os parlamentares à aprovação de matérias de interesse que tramitam no Congresso e convencer o governo central a liberar compensações financeiras devido as constantes quedas da receita decorrentes de vários fatores da política econômica nacional.   


Entre outras demandas, Caravina se refere à concessão do AFM (Apoio Financeiro dos Municípios), cujo repasse emergencial é estimado em R$ 4 bilhões para distribuição proporcional entre os municípios brasileiros, além do repasse extra de 1% do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e a proposta que prevê atualização dos valores dos programas federais.


Pelos cálculos da CNM, as 79 prefeituras de Mato Grosso do Sul terão direito a R$ 58,720 milhões do auxílio financeiro reivindicado pelo movimento municipalista. 


Os prefeitos querem que o repasse dos valores seja feito por meio do FPM, a exemplo da medida emergencial feita anteriormente, sem vinculações e sem desconto do Fundeb (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica). 


Vale lembrar que o último auxílio financeiro aos municípios foi feito em 2013 no governo da presidente Dilma, que repassou R$ 3 bilhões em duas parcelas, um em agosto daquele ano, e  outra somente em abril de 2014. 


Como o valor solicitado pelos prefeitos este ano representa um repasse (decêndio) do FPM, a expectativa é para que o dinheiro seja transferido em parcela única para os municípios.


1% do FPM


A mobilização também cobra a liberação, para o dia 10 de dezembro, do repasse extra de 1% do FPM como parte da Lei Complementar 55/2007, que no ano passado rendeu aos municípios de Mato Grosso do Sul mais de R$ 56 milhões. A previsão para este ano é de um repasse em torno de R$ 60 milhões. 


Segundo Caravina, a liberação desses valores poderia representar um grande alívio para os gestores públicos no fim do ano. 


Durante a mobilização, os prefeitos vão defender ainda a derrubada do veto presidencial ao encontro de contas -- renegociação das dívidas previdenciárias mantidas com a União. 


Com a renegociação, a expectativa dos prefeitos é ver as dívidas e parcelas caírem entre 40% e 50%. A CNM avalia que o montante devido pelas prefeituras ultrapasse R$ 75 bilhões e possa cair para menos de R$ 45 bilhões.


A derrubada do veto permite que os valores devidos pelas prefeituras sejam revistos antes do eventual parcelamento. Atualmente, o valor que a maioria dos municípios contabiliza e os juros aplicados são diferentes dos cobrados pela União, por isso o nome Encontro de Contas. 


O projeto vetado pelo presidente Michel Temer (PMDB-SP) também cria um comitê permanente de revisão da dívida previdenciária municipal, vinculado à Secretaria de Governo do Gabinete da Presidência da República e à Receita Federal, com a participação de representantes dos municípios. 


PACTO FEDERATIVO 


Por causa da dependência financeira das prefeituras, Caravina defende a aprovação urgente de um novo pacto federativo como forma de tirar os municípios brasileiros da crise. 


Ele assegura que somente com a adoção de uma política econômica responsável, a partir da distribuição justa do bolo tributário nacional, é que os gestores públicos terão condições de cumprir com as suas obrigações constitucionais. 

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Publicidade
Mais em Municípios
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
Não
Não sei
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS