O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   21 de Novembro de 2017
Publicidade

Caravina diz que ITR aliviou receita, mas expectativa é o repasse do FPM

Presidente da Assomasul acredita que maioria das prefeituras paga o 13º

06/11/2017 - 08h33

Campo Grande

Presidente da Assomasul, Pedro Caravina (Foto: Edson Ribeiro)

Depois de um ano em que sobraram cortes de investimentos por parte do governo federal e as prefeituras foram obrigadas a “cortar na própria carne” para sair da paralisia econômica, parte dos municípios de Mato Grosso do Sul começa a retomar o ânimo para fechar contas no fim do ano. 


A principal evidência dessa recuperação, ainda que tímida, está na intenção de pagamento do 13º salário aos servidores municipais, segundo reportagem assinada pela jornalista Daniella Arruda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado. 


Representantes de municípios ouvidos pelo Correio do Estado já têm reservado 50% do necessário para o pagamento, mas ainda mantêm “o pé no freio” em relação às despesas com pessoal e retorno de obras e serviços à população para o ano que vem, diante da incerteza de repasses do Estado e da União.


De acordo com o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) e prefeito de Bataguassu, Pedro Caravina, os prefeitos já vinham fazendo reservas para cumprir esses compromissos, mas o que deu uma “aliviada” para as prefeituras foi o ITR (Imposto Territorial Rural), principalmente para os municípios que têm maior extensão territorial e por causa da primeira parcela, que é a maior e é paga à vista, em outubro. Esse montante alcançou R$ 85,547 milhões. 


“Agora, estamos na expectativa do pagamento, pelo governo federal, do repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) em dezembro”, destacou. Somente no caso de Bataguassu, ele dá como exemplo, o repasse equivale a R$ 600 mil. 


“Esse montante, mais o do ITR, ajuda, e muito, para o fechamento das contas dos municípios. O problema é que alguns municípios já vinham acumulando dívidas com fornecedores. Portanto, a perspectiva ainda é de apertar os cintos. Quem tem dívida pendente vai ter dificuldade para cumprir seus compromissos”, alertou.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Publicidade
Mais em Municípios
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
Não
Não sei
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS