O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   21 de Agosto de 2017
Publicidade

Sem Ayache e mutilado, PT sem rumo no MS

31/03/2017 - 09h57

Manoel Afonso

GUINADA  “Esse é o governo da organização” – assim o deputado estadual Beto Pereira (PSDB) define a administração do tucano Reinaldo Azambuja. Assim como ocorreram gestões marcadas pela construção, o parlamentar  entende que é preciso preparar  o governo para um período que exige prudência e muito planejamento.


 DESGASTES  O deputado Beto compartilha com a tese de que eles possam atingir a imagem do governo e do governador, mas lembra que o estilo franco e transparente da atual gestão acabará capitalizando credibilidade da população. Beto diz que não há ambiente para demagogias que possam levar o Estado à ingovernabilidade.


EXEMPLO  é o desafio de fazer a reforma da previdência com aumento da taxa de contribuição dos servidores estaduais. Será uma discussão amarga e desgastante, mas inevitável.  A reação de Reinaldo contra a decisão do Palácio do Planalto em jogar no colo dos Estados a reforma da Previdência mostra a franqueza do nosso governador.


TRÊS LAGOAS  empolgada com o projeto de transformar a Universidade Estadual em Universidade Federal com o apoio do senador Pedro Chaves (PSC). A  UEMS tem 2.370 acadêmicos, 13 cursos de graduação  e condições de repetir o projeto  de Dourados que criou a UFGD. O reitor Marcelo Turine diz que até junho o projeto será levado ao MEC, prevendo também a implantação do curso de engenharia. Bom.


ABERRAÇÃO  O foro privilegiado beneficia 22 mil brasileiros detentores de cargos públicos e mandatos, o refúgio seguro contra a justiça. Pior, garante a proteção mesmo contra os crimes comuns sem relação com o cargo que eles ocupam. A lentidão  política do  Supremo Tribunal Federal quase sempre tem deixado os acusados sem castigo.


O LEITOR  precisa entender: o mecanismo tem impedido o juiz federal Sergio Moro de tomar qualquer decisão contra parlamentares sem autorização do STF. Veja: entre 1988 e 2015, só 16 de mais de 500 políticos processados no STF foram condenados. Na outra ponta Moro sozinho já condenou dezenas de denunciados. Essa é a diferença.


DUVIDO   que o Senado aprove a PEC que limita a abrangência dos benefícios do foro privilegiado. Em benefício próprio irá imperar o espírito corporativista da casa, onde dezenas de seus integrantes respondem a investigações que sairão pelo ralo da prescrição.  Ora. O STF não julga, é mais uma casa onde se discute teses. Nada mais.


AFRONTA  A libertação da ex-primeira dama carioca Adriana Anselmo pelo STF é mais uma prova de que nossas leis são de encomenda, para os ricos é claro. Andou bem a ministra Luislinda Valois (Direitos Humanos) pedindo a extensão do benefício à todas as mães sob prisão preventiva. Quem tal batizar nova lei de ‘Lei Adriana Anselmo’?


PERFIL  Com 4.152 votos Epaminondas Vicente Silva Neto (SD) se elegeu vereador  em Campo Grande. Conhecido por todos como Papi, integrou a coligação SD- PSL- PRB. Casado, com curso médio completo, exerceu a função de coordenador da Funtrab. Essa foi sua primeira candidatura e diz que é possível trabalhar para o bem. Sucesso.


NOVO TEMPO?  O brasileiro está acreditando. As prisões  deixam os políticos de saia justa, mais cautelosos nas mutretas. À imprensa cabe o papel fundamental de denunciar as mazelas da corrupção, sobrepondo-se  a postura de nossos tribunais em geral. Repito Millôr Fernandes: “a imprensa faz oposição, o resto é apenas secos e molhados’.  


NELSINHO TRAD Como ele caminhará no pleito de 2018? Cresce a tese de que ele  incentiva a terceira via oferecendo espaço para os ‘excluídos’ do PMDB e PSDB. A postura do ex-prefeito do PTB lembra o famoso bordão “Vem comigo’  do saudoso apresentador  de televisão Gourlart de Andrade falecido em agosto de 2016.  


SEM RUMO A cassação do mandato do ex-senador Delcídio do Amaral, a condenação do deputado João Grandão no TRF de São Paulo, a denúncia contra o deputado Vander Loubet no STF (Lava Jato) e a decisão do TJMS condenando  o deputado federal Zeca do PT a perda dos direitos políticos por 8 anos coloca o PT em situação muito difícil.


DESMAMA Desnudo pela prisão de várias lideranças nacionais  e a perda do Palácio do Planalto, o PT ‘guaicuru’ sofre também com a defecção no interior, onde não elegeu um só prefeito em 2016. O desastre se repetiu na capital  - elegendo  um vereador apenas e seu candidato a prefeito obtendo só 8.482 votos - 1,99% dos votos válidos.


AMPULHETA  Como o PT se fechou para preservar o mando de suas lideranças, hoje sofre as consequências. A grande promessa era o médico Ricardo Ayache que deixou o PT ingressando no PSB onde vislumbra maiores chances de seu projeto eleitoral. Há quem diz que o partido estaria à espera de um milagre. Convenhamos - uma utopia.


AMAMBAI  Estive com o prefeito, dr. Bandeira (PSDB) que sepultou o sonho do PT de reconquistar a cidade com o candidato Prego, que obteve  20,93% dos votos contra 40,11% do vencedor. Lá o PT não elegeu um só vereador. Para o prefeito, os tempos são outros, o PT não empolga nem os 7 mil índios do município.  Lenda pura.


NOTA 10  O deputado estadual Zé Teixeira (DEM) é competente, faz o contraponto a posição de seus colegas do PT quanto a invasão de terras e depredação de prédios por gente do MST, financiada pela CUT com dinheiro do Imposto Sindical. Aliás, a postura do PT repete o velho discurso comunista. ‘Câmbio – Stalin chamando – câmbio’.


E AGORA?  O deputado estadual Pedro Kemp (PT)  critica as decisões do Juiz federal Sérgio Moro, por perseguir os petistas e aliviar gente do PMDB e PSDB. Questionou  se Moro teria coragem de prender o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB). Agora com a  condenação de Cunha gostaria de ouvir Kemp sobre o caso. Fico no aguardo.  


EDUARDO CUNHA  Sua condenação vem provar que o desmonte da ‘Lava Jato’ é cada vez mais difícil e deixa seus críticos sem discurso.  Vai além: deixa de saia justa aqueles que se mostravam até então solidários a Cunha, inclusive o nosso deputado federal do PMDB Carlos Marun. Quem viver  verá os novos capítulos. Aguarde.


QUEBRADO  R$4 bilhões de prejuízos nos últimos 2 anos e precisando demitir até 25 mil funcionários.  Depois da Petrobras, agora a vez dos Correios graças ao dedo do PT, PMDB e PSD. Pena, não aprendemos com os ‘States’, onde os Correios dão lucro. É a 3º empresa que mais emprega com 785 mil funcionários e possui 260 mil veículos.  


O LEITOR  questiona: por que no Brasil tudo que depende do poder público funciona em marcha lenta, pela má vontade dos funcionários e a burocracia?  Enquanto isso a iniciativa privada consegue ser competitiva apesar das amarras e dos impostos. Continuamos reféns dos carimbos ainda do tempo do Brasil Colonial. Pode?


“O Brasil não tem povo, tem espectadores.”  (Lima Barreto)

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Publicidade
Mais em Manoel Afonso
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
Não
Não sei
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS