O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   30 de Abril de 2017
Publicidade

Pérolas de Aquidauana 3

25/08/2016 - 21h45

Raquel Anderson 

"É que Narciso acha feio o que não é espelho"


Bastava(A) o entendimento pessoal, a percepção reflexiva da imagem mesmo, o de "se achar" capaz, competente, de pretender-se importante, com notoriedade e, para poucos, valia(e) a consciência de SER, de fato, representante do povo, possibilitador de direitos,fomentador das ações de cidadania, de acessos às políticas públicas...


LOM, o que é isso minha gente?? Sei lá.... na hora eu vejo, ninguém sabe nada mesmo, pra que servem os assessores?? (Servem?)


Um conceituado Filósofo da atualidade afirma que:


"Não há povo honesto com governo corrupto"


Segundo esse Filósofo, " a grande mudança não passará por Brasília,ela passará por famílias, sala de aula, relações pessoais " Salve Karnal!


Nessa conjuntura, um sujeito, conhecido, caricato, figura folclórica na cidade, tentava a vereança e se empenhava de maneira muito entusiasta, a autenticidade e jeitão simplório era a marca da sua campanha.No dia a dia, em períodos regulares, sem eleições, ele chamava a atenção pelos seus posicionamentos atípicos, descabidos, falava alto na padaria, nos bares, na farmácia, por onde passava...
Sentia-se dono de muita sabedoria e, com isso, ousava em suas ações,com discursos eloquentes... 

arrancava gargalhadas.....


Certo dia, um grande e esperado comício aconteceria e ele estava a matutar qual seria sua pauta, que assunto abordaria para angariar e agradar eleitores, passou o dia zanzando pra lá e pra cá, alguns taxistas faziam ponto nas imediações de suas andanças, o conheciam muito bem e ficavam prontos para motivá-lo, entusiasmavam suas ideias, davam corda para ver até onde suas engenhosidades iriam... por ali ele proseava... do outro lado da calçada duas senhoras solteiras, antigas e conhecidas na cidade passavam, ele as olhou, tentou acenar, forçar uma aproximação, mas elas não lhe deram lado, ele ficou desconcertado com a recusas dessas senhoras, os taxistas perceberam sua frustração ante as pretensas eleitoras e os incentivaram a dar um jeito de agradá-las no decorrer da campanha.


Durante o comício, a noite, as ruas estavam lotadas, simpatizantes e oposição se faziam presentes, as duas senhoras estavam assistindo ao comício, chegou o momento do tal candidato se pronunciar, empolgou-se e não encontrava jeito de concluir seu discurso, a turma dos bastidores faziam sinais, chamavam sua atenção, ele embrabecia e demonstrava, publicamente, sua inquietação, até que, do palanque ele avistou as duas senhoras, paradas, estrategicamente, na esquina, ele deu alguns passos a frente, olho-as de maneira concentrada e disparou:


-Se eleito eu for, vou mudar a cidade!


-Essa cidade é parada demais, não tem diversão,não tem porcaria nenhuma aqui,ninguém investe na alegria das pessoas!!


-Se eleito eu for, vou construir praças e passeios públicos pra que essas muié véias daqui, que não tem onde ir, não tem o que fazer, pra que elas possam passear, andar nas praças!, se divertir um pouco!!
* Alguns votos perdidos!!!

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Publicidade
Mais em Raquel Anderson
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
Não
Não sei
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS