O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   18 de Outubro de 2017
Publicidade

Jr. Mochi, forte no PMDB e respeitado no Governo

16/12/2016 - 14h30

Manoel Afonso

CLARO Cada eleição de mesa diretora tem lá seus mistérios ou temperos. Todos  parlamentares tem direito a sonhar com um lugar ou cargo que irá render destaque, privilégios e  dividendos eleitorais. Também nesta hora, não existem ingênuos.


REPETECO  Sendo os grupos definidos: PMDB, PSDB, PT -  é fácil acompanhar as movimentações na Assembleia Legislativa. Tentativas de manobras, ações de ‘rebeldes de ocasião’ sucumbiram às lideranças maiores e aos interesses do Governo Estadual.


CONFIRMADA  assim a mesa diretora desenhada há tempos. Os deputados Jr. Mochi (PMDB) e Zé Teixeira (DEM) representam os dois maiores grupos, com a participação do PT mais uma vez na mesa. Ora bolas! Se o remédio tem dado certo, não se deve trocar a receita. Concorda?


POR ANALOGIA  a mesma receita de êxito deve ser repetida na Câmara Municipal de Campo Grande. O vereador João Rocha (PSDB), pelo equilíbrio na postura, é nome de consenso entre as lideranças maiores, com as bênçãos do Governo Estadual inclusive.


ANO NOVO  O Governo Estadual sabe que as novidades de 2017 ficarão por conta das dificuldades e dos ajustes da PEC do Teto. Haverá barulho nas galerias da Assembleia Legislativa, os sindicalistas petistas que se conscientizem: o PT quebrou todo o país.


A IMAGEM política de MS finda o ano desgastada na mídia. O ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido) saiu da cadeia e ficou sem o mandato;  José Carlos Bumlai em cana; o deputado estadual João Grandão (PT) tenta reverter decisão de 2ª. instância que o condenou a prisão; vereadores da capital levados a depor no Gaeco;deputado federal Vander Loubet (PT) enrascado na Lava Jato; ex-deputado Edson Giroto (PR) preso duas vezes; preso, o ex-prefeito Gilmar Olarte (Pros)  renunciou ao cargo de vice; gravação entre deputados orienta a fraudar lista de presença de funcionários;  Gaeco faz diligências na Câmara Municipal da capital. Em 2017 a ‘festa’ continua?


‘CEGUEIRA’ O pessoal da Receita Federal persegue os mais fracos por quantias irrisórias e não vê o enriquecimento dos políticos.  Um filho do  ex-presidente Lula (PT), 2º auxiliar do treinador de goleiros do Palmeiras, aumentou o patrimônio 770 vezes num ano. O cara é ‘bom’, né!


AVISO Professores sindicalistas e invasores das escolas contrários à reforma do ensino médio precisam ler os números da avaliação mundial dos estudantes do ensino médio. Estamos à beira do abismo! O senador Pedro Chaves (PSC) tem batido corretamente pela sua mudança urgente.


FORMIDÁVEIS as variantes de desculpas dos políticos. O deputado estadual Paulo Corrêa (PR) alega que apenas usou o termo errado naquele diálogo (gravado) com seu colega de parlamento Felipe Orro (PSDB). Já o ex-ministro Jacques Wagner (PT) delatado na Lava Jato, confirma: ganhou um relógio da  Odebrecht e dispara: “mas nunca usei”. Logo alguém alegará que recebeu o dinheiro de propina em pacotes, mas não usou por questão de princípios.


‘É PREFERÍVEL um fim terrível do que um terror sem fim’. Se a queda da ex-presidente Dilma (PT) parou o país por meses a fio, seu sucessor lembra aquele médico inseguro e sem auxiliares confiáveis diante do paciente esquálido com a barriga aberta.


A PERGUNTA: Se esse Governo sucumbir, ficando vazio o cenário do poder, quem  estaria preparado e disposto a assumir o comando  da nau à deriva? Ora! Os capazes e bem intencionados fugiriam deste ambiente pantanoso e contaminado pela corrupção.


EQUÍVOCO  Os prefeitos pediam e o Governo dava dinheiro para aquele programa ‘fundo de várzeas’. Essas enchentes que hoje ocorrem na capital e nas grandes cidades são decorrentes das intervenções nos caminhos naturais das águas. Asfaltaram tudo, não deixando espaços para as infiltrações no solo. E vai piorar.


AJUIZADOS? Tenho conversado na Assembleia Legislativa com futuros prefeitos e vereadores. Atentos as condenações havidas no Tribunal de Contas do Estado e na Justiça comum, prometem seguir a risca as recomendações legais. Aliás, o reeleito presidente  Waldir Neves (Tribunal de Contas)  diz que a boa vontade de orientar é proporcional ao rigor de penalizar.


ALELUIA Sempre achei; a lei do crime de desacato ao funcionário público trazia  um exagero. Protegia o funcionário azedo/despreparado tornando-o imune ao cometer excessos, tratando mal o contribuinte, inibido de reclamar pelos seus direitos. Com a descriminalização, funcionário e contribuinte passam a ser iguais.


EM FRENTE  O Secretário Estadual da Administração Carlos Alberto de Assis é um pé de boi, cumpridor de missão e querido no Governo. Revigorado, agradou mais uma vez com seu evento de homenagear e reconhecer a atuação dos funcionários públicos.  Como se diz: agradar é tão fácil.


SERGIO LONGEN  Como presidente da Federação das Indústrias de nosso Estado é  figura cada vez mais inserida no contexto sociopolítico. Suas ações sinalizam que não ficaremos à margem da nova revolução industrial. Como eu digo: existem duas FIEMS: antes e depois do Longen.  


É POSSÍVEL servir na administração pública sem perda dos valores éticos e não ficar contaminado pela corrupção? Sim.  José Marco da Fonseca, futuro Secretário Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano em Campo Grande é um exemplo a ser seguido pelos seus colegas secretários anunciados pelo prefeito eleito Marcos Trad (PSD).


PONTO FINAL  Nestes embates em Brasília fica explícita a ‘Lei de Gerson’ pelos poderes envolvidos. Todos defendendo seu pirão sob os mais diferentes argumentos e formas. Ninguém está disposto a fazer a lição de casa, dando exemplo e cortando os gastos e vantagens. Como diz o caipira: onde vamos parar em 2017? Se não é o país que queremos, é o Brasil que temos.


O povo é aquela parte do Estado que não sabe o que quer’. ( Hengel)

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Publicidade
Mais em Manoel Afonso
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
Não
Não sei
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS